Tubarão no seu aquário



Os japoneses sempre gostaram de peixe fresco. Contudo, as águas perto do Japão não produzem mais peixes há bastante tempo. Desta forma, para conseguir abastecer a população do país os japoneses começaram a fabricar navios pesqueiros maiores para que pudessem ir a grandes distâncias. Quanto mais distante os navios iam, mais demoravam para retornar com os peixes, e se demorassem mais do que alguns dias, o peixe já não era fresco, o que desagradava violentamente os consumidores, uma vez que eles gostam apenas do sabor dos peixes frescos. Para resolver o problema as empresas pesqueiras instalaram frigoríficos em seus navios, que congelavam os peixes assim que eram pescados, permitindo que as embarcações fossem mais e mais distante em alto mar. Entretanto os japoneses conseguiam distinguir entre o peixe fresco e o congelado, e não gostavam do peixe que tinha passado pelo frigorífico. Mais uma vez as empresas de pesca tentaram resolver o problema: instalaram nos navios grandes aquários em que iam colocando os peixes vivos à medida que eram pescados, lotando os tanques até não caber mais, assim fazendo com que os peixes retornassem vivos em aquários superlotados onde não conseguiam mais nadar por falta de espaço, chegando, portanto, cansados e abatidos, embora vivos. Infelizmente os japoneses não gostavam do sabor destes peixes, pois em função de não se mexerem, não se exercitarem, os peixes perdiam o gosto do frescor. Os japoneses preferiam o gosto do peixe fresco e não do peixe apático.

Então como resolver este problema? Quando estamos nadando em nossa vida profissional, estamos nos movimentando o tempo inteiro, estamos correndo atrás de objetivos e sonhos, o que nos torna um tipo de profissional muito alerta e dinâmico. Porém muitas vezes a vida nos coloca em aquários onde não precisamos nadar, onde não precisamos nos preocupar, onde não necessitamos nos esforçar para conseguir algo, e com isso nos tornamos profissionais apáticos, lentos e sem brilho. A maioria das pessoas que conquistam algo significativo, profissional ou pessoal, tende a se acomodar, como se não precisasse trabalhar mais com tanto empenho, uma questão psicológica que nos torna peixes lentos. É o mesmo problema de ganhadores da loteria que gastam todo o dinheiro que ganharam, o mesmo problema de herdeiros que nunca crescem e donas de casa entediadas, que ficam dependentes de remédios de tarja preta. Também acontece quando recebemos um cargo na empresa e após dominarmos as respectivas tarefas, passamos os nossos dias de forma mecânica e estável, não nos exigindo grande esforço diário, pois podemos fazer as mesmas coisas certas o tempo inteiro, tornando-nos assim tarefeiros lentos e previsíveis.

Os japoneses não pararam de pensar até resolver este problema mercadológico dos consumidores gostarem apenas dos peixes frescos, e chegaram a uma conclusão muito parecida com o mundo real dos humanos. Eles colocaram dentro do aquário, junto com os peixes, um pequeno tubarão. Este predador come alguns peixes, mas a maioria chega ao destino vivo, muito vivo, espertos e nadando rápido, e desta forma, muito frescos. Os peixes são desafiados, ficam com medo e o extinto os fazem ficar espertos. Com isso as empresas de pesca tornaram a ter seus peixes frescos, e com isso, os preços retornaram aos patamares anteriores.

Ter um tubarão no aquário é saudável. Desta forma o profissional de qualidade deve mergulhar no aquário que tenha um tubarão, deve estar ligado em ambientes muito competitivos, deve se colocar em situações desafiadoras na maior parte do tempo, o que o tornará muito mais preparado. O bom profissional não fica esperando alguém colocá-lo no aquário com o tubarão, mas sim obriga-se a estar o tempo inteiro sendo desafiado.

Ouça diariamente pelas 23hs, a mensagem amiga do Bispo Macedo